SÓCIO RICO, EMPRESA POBRE X SÓCIO POBRE, EMPRESA RICA

Você já pensou em que situação poderia se encaixar?

  • Sócio rico, empresa pobre

O sócio rico ostenta, e vive a vida de rei. Quem paga a conta? A empresa!

A empresa pobre deve para os bancos, financia tributos, atrasa fornecedores, frequentemente tem problemas com funcionários, e vive na corda bamba, administrando conflitos…

  • Sócio pobre, empresa rica

O sócio pobre por vezes trabalha mais que os próprios colaboradores e vive ativamente gerenciando cada detalhe de seu negócio, constrói um alicerce forte, tudo tem seu jeito sua mão. O ar da empresa é outro, porque ele adora o que faz, e tudo a sua volta lhe dá prazer.

A empresa rica investe em mão-de-obra qualificada, possui um excelente clima organizacional, frequentemente avalia seus colaboradores. Entretanto, impõe e monitora regras.

Tal qual uma engrenagem, uma empresa depende muito de seu pessoal, se para cada função o empresário contar com a pessoa certa e souber reconhecer o seu potencial, poderá contar com seguidores. Definirá o futuro, e a empresa se perpetuará.

E aí, o que você prefere?

A grande diferença:

Sócio rico, empresa pobre; ao longo do tempo o sócio também estará pobre.

Sócio pobre, empresa rica; ao longo do tempo o sócio também estará rico.

E por que? Porque os valores economizados em retrabalho, reposição de funcionários, reclamatórias trabalhistas e despesas financeiras na contratação de empréstimos e financiamentos, para suprir todos esses gastos e a vida de rei do sócio, reverterão ao capital de giro, aumentando o poder de investir e acumular os ganhos. Conclusão ao longo do tempo os sócios poderão retirar lucros isentos e melhorar o seu padrão de vida naturalmente.

Se desejar nos conhecer, visite nosso site, aprecie nossos artigos no Blog, mantenha contato com marcileia@saovicente.com.br .

Marciléia Gorgônio Reis Criscuolo é técnica em contabilidade, formada em economia, com MBA em gestão empresarial, é coaching de inteligência multifocal e participa do time da empresa há 38 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *