CONFLITO DE GERAÇÕES

Classificação e Características

Geração X

A expressão “geração X” foi inventada pelo fotógrafo Robert Capa em 1950. Ele iria usá-la mais tarde como título de um ensaio fotográfico sobre homens e mulheres jovens que cresceram imediatamente após a Segunda Guerra Mundial.

A expressão serviria para classificar os nascidos no período de 1960 a 1980 aproximadamente. Os estudiosos da época rotulavam que a geração não tinha identidade aparente, e enfrentariam um futuro incerto e hostil.

A geração cresceu e surpreendeu, passou pelo movimento “paz e amor”, sonhou com vários ideais, e os abandonou, foi para o mercado de trabalho e fez carreira, viu bem de perto a tecnologia dar seus primeiros sinais de evolução, tais como: o computador pessoal, as impressoras, a internet, o e-mail, o celular… Enfim, viu o mundo mudar rapidamente.

Presos a conceitos conservadores de quem passou por muitas necessidades, sonharam com a aquisição do primeiro imóvel, do primeiro veículo, da formação universitária, e tudo o que traria uma vida segura para si e para suas famílias.

Hoje boa parte dos “X” possuem estabilidade econômica, e é normal encontrá-los retomando seus ideais, correndo atrás de seus dos sonhos, buscando um futuro melhor, mais leve, e sutil a procura de realização e felicidade.

Geração Y

Os nascidos em 1981 a 2000 são classificados como “geração Y”, cresceram tendo o que muitos de seus pais não tiveram: como TV a cabo; videogames; computadores; vários tipos de jogos; e a internet em sua plenitude. Cresceram num mundo digital, estão familiarizados com os dispositivos móveis em tempo real.

Rodeados de todo tipo de facilidades oferecidas por seus pais, muitos jovens não conhecem o estímulo pela busca, não se sujeitam a tarefas subalternas, vislumbram salários ambiciosos, mas não possuem paciência para permanência no trabalho. É comum vê-los trocando de emprego com frequência em busca de oportunidades que ofereçam maiores desafios e crescimento profissional.

Os nascidos na “geração Y” tem o mundo num dedilhado, possuem facilidade de trabalhar em vários projetos, conversar online com colegas de trabalho e chefias, dar atenção diária a redes sociais. Mas infelizmente possuem dificuldade para lidar com as emoções, e por vezes qualquer sentimento de ansiedade e frustação dificulta o relacionamento pessoal e profissional.

A “geração Y” faz parte da primeira geração globalizada, cresceram com a tecnologia e a utilizam desde a infância. A internet é uma necessidade essencial para eles. Ficar sem o smartphone significa sofrimento de abstinência e solidão.

Geração Z

Os nascidos em 2001 a 2010 aproximadamente, são classificados pelos estudiosos como “geração Z”, e segundo eles, esta geração é formada por indivíduos preocupados com a conectividade de forma permanente.

Esta nova geração fica conectada em tempo integral através de dispositivos móveis. O contato passou a ser mais virtual e individual. Cada pessoa tem seu próprio celular, seu videogame, sua TV, seu equipamento de som.

Entretanto, os nascidos neste período tendem a ser mais tímidos, possuem dificuldade de interação social e respondem somente quando são estimulados, sofrem com a dificuldade de se expressar verbalmente, e não possuem paciência para ouvir.

Segundo pesquisas, outra característica dessa geração é o conceito de mundo que possuem, para eles não há fronteiras geográficas, tudo se resolve rapidamente “num dedilhar”.

Quando o assunto é carreira profissional, os nascidos neste período não se veem numa empresa por vários anos fazendo as mesmas tarefas. Boa parte são defensores de um jeito próprio de ganhar a vida trabalhando de forma autônoma, utilizando a tecnologia que os cercam.

Conclusão:

O desafio no ambiente de trabalho será extrair os pontos fortes que cada geração traz consigo, e agregar valor aos objetivos da empresa.

O desafio no ambiente familiar será oferecer um bom alicerce, para que apenas os pontos fortes das “gerações Y e Z” se perpetuem.

O desafio pessoal para cada um de nós que somos da “geração X”, será rever todos os nossos conceitos e valores, reconhecer o que “Y e Z” possuem de melhor, e nos conscientizar que o mundo mudou, e este mundo novo está repleto de oportunidades, que podemos e precisamos vivenciar.

Marciléia Gorgônio Reis Criscuolo é técnica em contabilidade, formada em economia, com MBA em gestão empresarial, e participa do time da empresa há 36 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *