Como a contabilidade influencia nas fusões e aquisições?

Expandir os negócios é o sonho e o objetivo da maioria dos empresários. Porém, em geral, isso não é fácil, já que envolve investimentos diversos, uma boa estratégia e tempo razoável para poder atingir novos patamares. Dessa forma, as fusões e aquisições surgem como importantes formas de desenvolver os negócios. Mas você sabe como a contabilidade influencia nesses processos? Então entenda!

O que são fusões e aquisições?

O termo “fusões e aquisições” é baseado no conceito de “merges and acquisitions”, em inglês, que costuma ser abreviado como M&A. Consiste em duas operações que permitem a venda, compra ou concentração de empresas do mesmo segmento, ou de diferentes setores de atuação, por motivação estratégica de alguma companhia.

As fusões e aquisições tornaram-se muito populares pois costumam ser muito mais ágeis e rápidas do que o crescimento orgânico. Através do M&A, empresas conseguem: entrar em novos mercados, adicionar novos serviços em seu portfólio, adquirir conhecimentos e/ou propriedade intelectual, fortalecer sua posição no mercado, reduzir riscos, etc.

Ao contrário do que a maioria acredita, as transições de M&A podem ser feitas por empresas de qualquer tamanho. As companhias envolvidas não precisam ser necessariamente grandes, já que negócios de pequeno e médio portes também são constantemente sondados por companhias maiores e podem ser muito beneficiados com esse tipo de operação.

Qual a importância da contabilidade em fusões e aquisições?

Qualquer empresa que deseje participar de um processo de fusão ou aquisição, precisa dispor de uma contabilidade organizada, efetiva e ágil, que mantenha a qualidade das informações constantes nos demonstrativos contábeis, de modo a evitar especulações ou crises de confiabilidade que só afetariam o seu valor de mercado.

As combinações de empresas nos processos de M&A envolvem uma série de questões contábeis como, por exemplo: a definição dos métodos de contabilização; a escolha da entidade contábil; a contabilização da participação dos acionistas minoritários nas subsidiárias; o tratamento das diferenças entre o custo de adquirir o controle e os ativos líquidos; a base contábil na troca de ações; dentre outras.

Os contadores são responsáveis pela apresentação: dos níveis de endividamento; dos ativos que tenham liquidez suficiente para serem usados como colaterais em empréstimos; dos níveis de capital de giro; e do fluxo de caixa e dos recursos suficientes para pagamento de dívidas e juros. Todos esses fatores são determinantes para a efetivação de uma operação de fusão e aquisição.

Uma contabilidade falha ou inconsistente pode gerar uma série de problemas em um processo de M&A, como a perda de confiabilidade da empresa no mercado; a geração de especulações sobre o negócio; a diminuição do valor da companhia; a redução de ganhos com a operação, atrasos na negociação, ou até o cancelamento da fusão ou aquisição.

Por serem processos com muitas exigências e peculiaridades, fica claro que as fusões e aquisições exigem equipes multidisciplinares suficientemente preparadas, das quais os profissionais da contabilidade atuam com papel estratégico, fornecendo informações sólidas e precisas que favorecem negociações bem-sucedidas entre as partes.

Quer saber mais sobre a relação da contabilidade e fusões e aquisições? Deixe seu comentário abaixo ou fale conosco!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *