O que é aplicação financeira na contabilidade e como é tratada?

Diante de uma enorme gama de opções disponíveis no mercado de capitais, é comum que as empresas busquem investimentos diversificados. Além de sua atividade principal, muitos empresários aplicam parte dos recursos em renda fixa, fundos, ações, dólares, títulos do tesouro, entre outros. Por isso, é muito importante saber o que é aplicação financeira na contabilidade e a forma com que ela é tratada pelos contadores.

O que é aplicação financeira para a contabilidade?

Na contabilidade, as aplicações financeiras são aquelas realizadas em diversos tipos de investimentos com rentabilidade fixa ou variável, como: Certificados de Depósitos Bancários (CDB), Fundos de Investimento Financeiro (FIF), Letras Hipotecárias, etc. O principal objetivo delas é obter alguma rentabilidade depois de certo período em que o capital é aplicado.

Como é feito o lançamento de aplicação financeira na contabilidade?

O lançamento de aplicação financeira na contabilidade se dá com o valor do investimento no balanço, no Ativo Circulante, quando o prazo do resgate é de curto prazo, ou no Ativo Não Circulante, no subgrupo Realizável a Longo Prazo, caso o prazo de resgate previsto seja maior do que o exercício social seguinte.

Como são lançados os rendimentos e o IR das aplicações financeiras na contabilidade?
Para ativos de renda fixa, em obediência ao regime de competência, a apropriação dos rendimentos das aplicações financeiras com prazo superior a um mês, por exemplo, deve ser efetuada por partidas mensais. Já no caso das aplicações em que o resgate e a aplicação ocorrem dentro do mesmo mês, o registro do rendimento pela contabilidade é feito por ocasião do resgate.

O Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) que incide sobre os rendimentos da aplicação financeira é compensável com o imposto devido pela empresa, com base no lucro real, presumido ou arbitrado, e é registrado em conta do subgrupo de Impostos a Recuperar no Ativo Circulante.

Caso o IR retido não seja recuperável, como no caso das empresas tributadas pelo Simples Nacional, o mesmo deve ser contabilizado em conta de resultado. Já para o levantamento de balanço ou balancete, os saldos das aplicações financeiras e os juros incorridos, desde a data da aplicação, devem estar atualizados até a data do fechamento.

Por que contabilizar os extratos das aplicações financeiras?

Contabilizar os extratos das aplicações financeiras é fundamental para que a informação contábil fique completa e fidedigna. Somente dessa forma é que a rentabilidade dos investimentos e a retenção de imposto de renda sobre os rendimentos é registrado corretamente.

O escritório de contabilidade é o meio mais indicado para lidar com as informações tributárias de uma aplicação financeira, sobre as formas de dedução do IR retido na fonte do saldo a pagar e, também, para identificação da posição patrimonial da empresa.

Sua empresa faz aplicações financeiras e informa à contabilidade? Conte para gente. Caso tenha alguma dúvida, entre em contato.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *